Simone Tebet: ‘É muito difícil o Bolsonaro conseguir desidratar os votos do Lula’

Terceira colocada no primeiro turno da eleição presidencial, a senadora Simone Tebet (MDB) afirmou que “não foi uma escolha difícil” o apoio à candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) contra o presidente Jair Bolsonaro (PL), no segundo turno, e apontou como complicado para o atual mandatário “desidratar” os votos conquistados pelo petista.

“Nada me foi oferecido. O Lula tem a experiência de saber lidar com a classe política. Ele sabe muito bem com quem fala e com quem trata. A conversa foi muito clara. Meu manifesto estava pronto e eu ia declarar o meu voto à favor da democracia e da Constituição por amor ao Brasil. Eu não vejo uma escolha difícil porque não há dois lados. Um eu reconheço como democrata apesar de todos os defeitos, o outro não. Há um lado só. Mas meu apoio não será por adesão, mas por propostas. Se eles tivessem com intuito de aceitar minhas propostas, o apoio seria maior”, disse Tebet em entrevista ao Estadão, após formalizar a adesão à campanha do petista.

A senadora avaliou ainda que a falta de clareza do programa econômico de Lula acabou fazendo com que os eleitores optassem pelo voto útil em Bolsonaro para levar o pleito para o segundo turno, o que teria prejudicado a campanha da chamada terceira via. “Foi aí que eu e Ciro desidratamos. Cheguei a bater em 11% nos trackings em São Paulo. Na reta final, o eleitor migrou mais para o Bolsonaro”, pontuou Simone Tebet, que, entretanto, aposta em um segundo turno diferente. “Será uma nova eleição. É muito difícil o Bolsonaro conseguir desidratar os votos do Lula”, previu a ex-candidata, afirmando que está disposta a fazer “tudo que for necessário fazer para garantir a democracia como pilar”.

Últimas Notícias