Luís Barroso afirma que Jair Bolsonaro tem ‘dever cívico’ de provar fraude em urna

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE),ministro Luís Roberto Barroso, afirmou nesta quinta-feira (17) que o presidente da República, Jair Bolsonaro, tem o ‘dever cívico’ de provar que houve fraude na urna eletrônica. O titular do palácio do Planalto defende a adoção de voto impresso e, em diversas ocasiões, colocou em dúvida a lisura da urna eletrônica.

“Nunca houve fraude documentada. Jamais”, afirmou o presidente do TSE, que tambem integra o Supremo Tribunal Fedeal. “Apenas o pedido de auditoria solicitado pelo então candidato (a presidente, em 2014) Aécio Neves (PSDB) e que não se apurou impropriedade porque não há”. Barroso afirmou que a corte esta aberta a quem apresentar provas de alguma irregularidade. “O resto é retórica política, são palavras que o vento leva”.

Voto impresso

Sobre voto impresso, Barroso classificou a reintrodução deste recurso como uma “solução arriscada para um problema que não existe”. Para o ministro, a recontagem do voto é onde há risco de fraude. “Na recontagem é que há a manipulação dos votos e possibilidade de verificar a composição desses votos”, concluiu.

Mesmo defendendo que a impressão do voto “é menos seguro do que o que já existe”, Barroso se comprometeu a cumprir “com boa fé” a implementação do voto impresso caso o Congresso aprove a proposta e o Supremo Tribunal Federal (STF) confirme a medida. bahia.ba

Últimas Notícias