Comissão da câmara Irecê lança nota de repúdio após outro feminicídio, cita leis aprovadas e conclama sociedade civil para buscar transformação de mentalidade

A Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor (CDHDC) da câmara municipal de Irecê, tendo em sua composição atual os vereadores Murilo Franca, Erlan Figueredo e Toinho do Judô, lançou nota de repúdio hoje (30/05/2022) sobre o crime de feminicídio ocorrido no território de Irecê: povoado de Cocão II. O crime ocorreu no último sábado, dia 28/05/2022 e a vítima foi Ariane Marques da Silva de 26 anos.

Na nota de repúdio disponibilizada hoje, a Comissão de Direitos Humanos da câmara de Irecê relembrou outros crimes de feminicídios ocorridos no território, tais como Danila Sousa Santos e Rafaela Gomes de Souza da cidade de Lapão.

A Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor de Irecê ressaltou que o parlamento tem atuado na busca da proteção do gênero feminino, bem como, buscado provocar os setores de proteção a pessoa humana para serem mais eficientes na prevenção e na proteção de todas as camadas sociais mais vulneráveis.

Neste sentido, a CDHDC de Irecê, em sua nota de repúdio citou a lei aprovada em 2021, a lei n.º 1199 que versa sobre as “medidas de segurança a serem adotadas por administradores de bares, casas de shows, restaurantes e estabelecimentos similares”. E, a “Lei Municipal n° 1186/21” que proíbe a “contratação de condenados pela Lei Federal Maria da Penha [...] pelo Poder Público Municipal, bem como impede de prestarem serviços ou receberem incentivos públicos.”

A Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor de Irecê, na pessoa de todos os vereadores que a compõem, lamentaram o ocorrido e solidarizou com os familiares de Ariane Marques da Silva pela dor, e perda e conclamaram a “todos os colegas, o Poder Público, a sociedade civil” para que se busque rechaçar estes crimes, bem como se for possível, buscar transformar “esse tipo de mentalidade, que tanta dor traz a qualquer sociedade”

O vereador Murilo em suas redes sociais citou Marcilene Dumont do movimento Mulheres Resilientes:

- O feminicídio é o ato desesperado de quem nunca soube o que é amar! É a manifestação do ódio, da rejeição, do fracasso, aonde quem grita é a covardia! (Marcilene Dumont - Mulheres Resilientes)

O LUTO é por ARIANE, a LUTA é de todas. (Vereador Murilo).

O canal de informação e notícias “Irecê Agora” solidariza-se com a família de Ariane Marques da Silva e torce para que a justiça alcance e puna corretamente o feminicída!

Roberto Souza
Jornalista - MTB:84796-SP.

Últimas Notícias